sábado, 1 de fevereiro de 2020

Boletim pluviométrico do mês de Janeiro de 2020


Boletim pluviométrico do mês de Janeiro de 2020, relativo à estação particular da Base IGARUANA, sediada no Sítio Araras, município de Itajá/RN, no Vale do Assu.

01 ......................5,0 mm/m²
08 ................... 32,0 mm/m²
17 ..................... 4,0 mm/m²
22 ..................... 1,5 mm/m²
31 ..................... 3,5 mm/m²

Total do mês ..... 46,0 mm/m²

Histórico:
Janeiro de 2016: 172,5 mm/m²
Janeiro de 2017: 11,0 mm/m²
Janeiro de 2018: 111,5 mm/m²
Janeiro de 2019: 150,0 mm/m²
Janeiro de 2020: 46,0 mm/m²

Contudo houve boas precipitações em regiões limítrofes, não choveu muito em janeiro, aqui no Sítio Araras. No histórico dos últimos anos, o janeiro de 2020 ficou na penúltima posição, com uma diferença quase quatro vezes menor que o melhor registro do período.


[foto: Jack d'Emilia]

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Lanche energético natural: biscoito integral de centeio, cacau e amendoim


Pequena produção de hoje:
biscoito integral de centeio, cacau e amendoim
ingredientes:
  • 3 medidas de farinha integral de centeio
  • 3 medidas de farinha integral de trigo
  • 100 gr de amendoim torrado, sem sal
  • 4 colheres (chá) de cacau em pó
  • 50 ml de óleo de coco
  • 2 medidas e meia de água
Obs. ¹ minha medida é essa canequinha verde da foto, muito popular em todo o Brasil, creio
Obs. ² sem sal, sem açúcar, não precisam, não fazem falta


Como fazer: misturar numa tigela todos os ingredientes secos. Amassar no pilão o amendoim torrado, até reduzi-lo quase totalmente numa farinha, e acrescenta-lo aos ingredientes na tigela. Juntar o óleo e depois a água, aos poucos, para atingir o ponto da massa que deve ser macia e firme o mesmo tempo.
Estender a massa e cortar os biscoitos do formato desejado, com uma espessura de aproximadamente meio centímetro. Assar numa panela antiaderente, ou no forno, por cerca de 10 minutos, virando o lado uma ou duas vezes.





quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Exp. Mesopotâmia 7 - Assu a Alto do Rodrigues 6º dia



Expedição Mesopotâmia 7
8 a 13 de agosto de 2019
.
6º dia- Terça
Acordei pouco antes das seis. A dormida no Campo M foi fantástica, sem friozinho na madrugada nem nada. Na mesma posição que adormeci, estava quando acordei: segurando entre os braços o segundo cobertor que não cheguei a usar. Dormir na rede é bom demais.
Acendi um pequeno fogo por um café e preparei um copo de suco de limão com gengibre, que eu gosto.
Com Cabeça, fomos dar uma bela caminhada pelas baixas ilhotas e canais que se formam no leito do rio, batemos umas fotos e tomamos banho.
De novo, Cabeça exibiu suas proezas, cruzando o braço principal do rio a nado só para se amostrar, creio, pois ficou dois minutos lá e logo atravessou de volta.
Encontrei um pescador, com o qual já tinha conversando em outra ocasião, e lhe perguntei sobre o tal balneário do Rogério, que é o local que escolhi como ponto final desta aventura, depois ter encontrado dificuldade no mês anterior para passar pela ponte de Alto do Rodrigues, linda velha ponte de ferro e madeira, entupida de aguapé.
O pescador me disse que em breve a prefeitura vai limpar a ponte das plantas aquáticas e depois me explicou como reconhecer o local onde marquei com seu Luiz para vir me buscar: primeiro sinal, um pé de algaroba caído na beirada, segundo sinal, uma meia dúzia de coqueiros no alto do barranco. Agradecido, me despedi e voltamos pro campo. Tranquilamente, desmontei o acampamento e carreguei tudo na canoa, um pouco mais leve, sem a comida e a água consumidas durante a expedição.
Sobrou um pouco de tudo, mas sem exagerar; uma dispensa equilibrada, na medida, sem faltar nada, sem comida estragada; mas também sem sal e sem cúrcuma, que me esqueci em casa rss
Os poucos quilômetros para percorrer, a gente tentou demorar mais que pôde a cobri-los remando, apreciando cada minuto a mais passado sendo parte de tanta beleza natural.
Valeu demais!